terça-feira, 3 de março de 2015

BIM around the world...


Veja o resumo do status do Brasil e outros países na adoção de BIM.



..."O Brasil tem uma boa reputação como um centro acadêmico BIM - as suas universidades estão em terceiro, atrás os EUA e a Suécia sobre a publicação de trabalhos acadêmicos com foco no BIM. Em termos de aplicações práticas, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes do Brasil está abraçando BIM, na esperança de fazer economia de custos de 30%.
"O Brasil está começando a ficar “atento” para o BIM", diz o professor da Universidade de Teesside Nashwan Dawood. "Um dos meus colegas [Mohamad Kassem] fez um relatório sobre diferentes normas e protocolos de BIM e que o governo está tomando a frente para permitir a adoção de uma política e um plano estratégico. O Brasil não tem o mesmo crescimento maciço como no Qatar, mas BIM está se movendo muito rápido. "
Mohamad Kassem, Universidade de Teesside
Kassem já trabalhou com o professor brasileiro Sérgio Leusin, consultor na implementação BIM no Brasil, para fazer recomendações sobre a estratégia.
No momento da sua nomeação Kassem disse: "O Brasil é uma economia enorme e que o país está passando por uma enorme quantidade de trabalho de construção. Alterações que resultam em ganhos de eficiência, mesmo as pequenas, têm o potencial de salvar os bilhões da economia brasileira. BIM pode trazer benefícios reais para a indústria da construção e há uma verdadeira dinâmica no sentido da inovação na indústria e espero que o meu trabalho possa ajudar a melhorar a difusão BIM no Brasil. "
Em outros lugares da América Latina, projeto em andamento do Panamá para adicionar um novo conjunto de eclusas em cada extremidade do Canal do Panamá aprovou BIM desde o início, e um novo aeroporto para a Cidade do México também vai usá-lo..."


Fonte: CM - Construction Manager

‪#‎BIM‬emprogresso


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Biblioteca “MCMV em BIM”

Contier Arquitetura disponibiliza “MCMV em BIM”: os elementos básicos para a elaboração de projetos em REVIT para atender às necessidades do Programa Minha Casa Minha Vida.

Esse material, originalmente produzido pela Contier Arquitetura para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC, esteve por um longo tempo disponível em site mantido pelo ministério.

Mais do que um template definitivo e uma biblioteca pronta e completa é uma base que pode e deve ser aprimorada pelos usuários, com a criação de material próprio, desenvolvido para atender as suas necessidades específicas. A biblioteca de famílias aqui apresentada para download – embrião de futuras bibliotecas de cada usuário – corresponde a uma “cesta básica” de produtos usados nos projetos do programa Minha Casa Minha Vida.

Tanto as famílias quanto os templates atendem à norma de Coordenação Modular de acordo com a ABNT NBR 15873/2010, que define os termos, o valor do módulo básico e os princípios da coordenação modular para edificações.

A representação dos elementos e símbolos de anotação considera as exigências da norma ABNT NBR 6492/1994, que aborda a representação dos principais elementos arquitetônicos da construção civil no Brasil.

Nos parâmetros das Famílias e Famílias de Sistemas, foi criado um campo para inserir o código SINAPI – Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, sistema de pesquisa mensal que informa os custos e índices da construção civil.

Estão disponíveis para download os arquivos de famílias na extensão RFA, nativa do Revit e os arquivos de template, de famílias de sistema e arquivos índices na extensão RVT.

O download é livre com a única exigência de o usuário se cadastrar site de Contier Arquitetura.





Fonte: Contier Arquitetura



sábado, 21 de fevereiro de 2015

|Modelagem BIM| 03 FAMÍLIAS

Autodesk Revit Architecture e a modelagem BIM em 9 conceitos:

3. FAMÍLIAS

Conceitos gerais:

- System Family: São famílias criadas no contexto do projeto, pertencentes ao arquivo RVT em que se encontram, e que são geralmente criadas a partir da duplicação de outras modelos/ tipos similares. Na maioria das vezes envolvem definições de estrutura ou limites (boundaries), definidas em modo de edição de propriedades ou modo sketch. Todos os host elements são, por exemplo, System Family (walls, floors, roofs, ceiling, etc).
As famílias do sistema são predefinidas e possuem parâmetros configurados no Revit.
Não é possível criar modelos, somente tipos.
Você não as salva em projetos a partir de arquivos externos, nem as salva em localizações externas ao projeto.
Não podem ser criadas com os Templates através de New Family.
Não é possível alterar e adicionar mais parâmetros de dimensões diferentes dos disponíveis.


- Load Family: São famílias criadas fora do contexto do projeto, para inserção, pertencentes a arquivos RFA que devem ser carregados no projeto. Configuram essencialmente elementos de inserção, criados em modo de family editor. Por exemplo, Load Family (doors, windows, furniture, etc).
São famílias que podem ser criadas e modificadas de forma comum no Revit.
São criadas com os Templates através de New Family.
São criadas em arquivos RFA externos e importadas ou carregadas em seus projetos.
Contêm modelos e tipos para carregar ao arquivo do projeto – Load Family.
São editáveis através do acesso ao arquivo de criação rfa da família.
Os parâmetros podem ser editados, apagados, adicionados, etc, através do acesso ao arquivo rfa.


- In-place Families: São famílias criadas no contexto do projeto, pertencentes ao arquivo RVT em que foram criadas, mas que podem pertencer a praticamente qualquer categoria de modelo. São elementos criados em ambiente de family editor interno ao projeto, através da ferramenta Component > Model InPlace, disponível na Architecture Tab.
São elementos únicos que você cria quando precisa de um componente único que é específico ao projeto atual.
São modeladas dentro do arquivo de projeto.
Não podem ser exportadas ou copiadas do arquivo de projeto para tornar uma família Load.
Pode ser aplicada parametria, porém cada instância se torna única. Assim, não alterando as demais quando editada.
Tornam o arquivo de projeto carregado.
Não possuem nível como base e/ou topo, assim não se desloca quando um nível for alterado.



- famílias de vistas: As vistas são famílias do sistema (System Family). Os símbolos que marcam e indicam estas famílias de vistas podem ser carregadas e criadas externamente. Assim, os símbolos de indicação de vistas são famílias carregáveis (Load Family).


- famílias de anotações: Textos, nuvens de revisão, linhas e cotas são famílias do sistema (System Family). É possível criar novas linhas, novos hatch e símbolos. Tags são famílias carregáveis (Load Family). Podem ser criadas através de Templates.



...este conceito (Famílias) será divido em vários posts.. aguardem!


BIMRevit - arq. Flávia Maritan
Treinamentos e Consultoria BIM - Revit



sábado, 14 de fevereiro de 2015

Autodesk University Brasil 2015

A Autodesk já abriu a inscrição de palestras para o Autodesk University Brasil 2015 que acontecera no dia 3 de setembro em São Paulo

Se você tem uma experiência de sucesso com um produto Autodesk ou se quer apresentar uma fluxo de trabalho com os softwares da Autodesk e compartilhar seu conhecimento com outros usuários voce já pode inscrever sua palestra pelo link abaixo. As propostas serão avaliadas e você será notificado se sua palestra foi selecionada em breve.




Participe!

Participe!

Participe!

Acesse o link e saiba como inscrever sua palestra na Comunidade Autodesk Brasil


domingo, 25 de janeiro de 2015

Academia BIM | SindusCon - SP

Academia BIM - 13, 14, 20 e 21 de Março de 2015.



Objetivo:
A Academia BIM irá apresentar o Building Information Modeling (BIM), abordando o ciclo de gestão numa perspectiva desmaterializada e adequada às necessidades de desenvolvimento, modernização, internacionalização, de maior competitividade do setor da construção e imobiliário.


Publico Alvo:
Profissionais e estudantes das áreas de Arquitetura, Engenharia e Construção, ligados direta ou indiretamente ao Processo de Projeto, Construção e Operações de Edifícios, interessados em adquirir conhecimentos sobre BIM - Building Information Modeling.


Conteúdo Programático:
Conhecendo a metodologia BIM
• Vocabulário BIM
• Desenvolvimento de uma matriz de avaliação de software
• Compreendendo a operação e relevância do sistema BIM
• As vantagens do BIM para todo stakeholder
• Processos e Responsabilidades
• Componentes legais, contratuais e de Propriedade Intelectual
• Implementação bem sucedida


Instrutor:
Engº António Ruivo Meireles
Fundador da NDBIM Virtual Building; Consultor em Sistemas de Informação; Coordenador do BIM Fórum Portugal; palestrante em Conferências Internacionais BIM na América, Ásia e Europa; orientador de várias teses de mestrado relacionadas com a temática BIM; professor convidado da unidade curricular "BIM: Concept, Design and Construction" no mestrado em Construção e Reabilitação Sustentáveis da Universidade do Minho; doutorado em Gestão da Construção em curso na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto; MBA em Gestão de Empresas pelo IESF; licenciatura em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto


DATAS
13, 14, 20 e 21 de março - (sextas e sábados)

CARGA HORÁRIA
10h às 18h - 28 horas


VALORES INSCRIÇÃO:
Associados ao SindusCon-SP e estudantes: R$ 1560,00
Não associado e pessoa física: R$ 2900,00

LOCAL:
Sede - SindusCon-SP – Rua Dona Veridiana, 55 – Santa Cecília – São Paulo/SP



Informações: Central de Relacionamento (11) 3334-5600 | cursos@sindusconsp.com.br
Sinduscon - SP


segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

BIM 4D | Revista Téchne - Pini

A Revista Téchne de Dezembro 2014 destaca BIM 4D...


Construtoras apostam no BIM 4D para melhorar assertividade do planejamento de obras
Modelo tridimensional de projeto associado ao cronograma de atividades permite visualizar etapas da obra e identificar prós e contras de cada plano de ataque.


..." 'A ideia é vincularmos as informações dos componentes que representam o escopo do projeto às informações de planejamento e custo. Isto nos dá mais precisão sobre a quantidade de cada serviço a ser executada, permite a simulação de cenários e nos auxilia na definição do planejamento', explica Joyce Delatorre, coordenadora do Núcleo BIM da Método Engenharia. 'Com estas informações integradas, se tivermos qualquer alteração de projeto, conseguimos rastrear o impacto no prazo e no custo da obra, auxiliando na tomada de decisão', continua a engenheira." ...

Fonte: Téchne - Pini
Para acessar a reportagem completa é possível comprar a revista em bancas ou assinar online.


domingo, 28 de dezembro de 2014

O que é essa "coisa" chamada LOD?!?!

Ainda existe muitas dúvidas e confusão sobre o que os níveis de LOD significam e como eles devem ser usados...


LOD foi desenvolvido pela Vicosoftware, uma empresa de software. Eles viram as vantagens de custeio direto de um modelo BIM, mas tinha um problema:
Como você dizer o quanto preciso, ou como/quanto definitivo, são os elementos do modelo que você está conectando no modelo?
Então, eles desenvolveram o conceito que eles chamam de "nível de detalhe". Uma medida de como um elemento definitivo.

Tendo como base o AIA (Instituto Americano de Arquitetos) decidiu que este sistema seria uma boa para aplicar a todas as utilizações de um modelo BIM, desde a análise de energia para a programação 5D. Eles aplicaram um novo nome ao processo: "Nível de desenvolvimento", porque "nível de detalhe" pode ficar confuso com a quantidade de informação, ao invés do poder de decisão das informações.
Outros assumiram o conceito, e hoje tornou-se um dos poucos conceitos BIM.

A ideia é tão simples...São apenas 5 divisões principais (cada empreendimento pode subdividir a tabela de acordo com suas necessidades de prazo e recursos disponíveis).

... Como determinar se um modelo está maduro o suficiente para iniciar as negociações com os fornecedores de materiais, serviços e equipamentos?
Como identificar até onde devemos modelar, detalhar ou informar?
Qual é o objetivo deste modelo?
LOD são realmente úteis, ou apenas um desperdício do nosso tempo?
Aplicar LOD é tão difíceis, por que devemos usá-los? ...

LOD, como em "Nível de desenvolvimento", é uma medida que você leva a informação representada por um elemento de BIM. Não é necessariamente uma medida da quantidade de informação, embora, obviamente, deve existir informação suficiente para satisfazer o nível LOD em que o objeto se encontra. Também não é uma medida da quantidade de precisão ou gráfica. O aparecimento de um elemento BIM é apenas um pedaço de informações sobre esse objeto, e, geralmente, o menos importante. Um empreiteiro não precisa saber o que uma mesa se ​​parece, nem para colocá-lo no prédio. Mas eles precisam saber qual é fabricante e o número do modelo. Outros podem precisar saber suas dimensões para coordenar com os objetos ao seu redor, mas eles também não precisa necessariamente saber o que exatamente se parece.

Portanto, os níveis de LOD para uma cadeira:
LOD 100 = há uma cadeira
LOD 200 = existe uma cadeira que tem necessidade de espaço nominal de 500x500
LOD 300 = há uma cadeira com apoios de braço e rodas
LOD 400 = fabricante e o número do modelo.
LOD 500 = fabricante e o número do modelo, o fornecedor, data de compra.

Ou em termos gerais:
LOD 100 = lá é uma coisa
LOD 200 = há uma coisa de tal tamanho
LOD 300 = há uma coisa com essas funções e opções de acessórios.
LOD 400 = é essa coisa particular.
LOD 500 = esta coisa particular fornecido por essa pessoa nessa data.


O objetivo de uma tabela LOD indica que informações eles podem usar. Dito de outra forma, é uma medida da segurança, ou de confiança, de que as informações estão atribuídas. Assim, mesmo que uma cadeira no modelo contenha informações que iria satisfazer LOD 400, apenas a parte de que a informação que satisfaça LOD 100 pode ser invocado com toda a certeza. Isto significa que uma família cadeira de um fabricante poderia ser usado em LOD 100, mas todo mundo sabe (referindo-se a tabela de LOD) que esta cadeira especial, não é necessariamente o que vai ser realmente utilizado.


O que é Nível de detalhe ?
Nível de detalhe é uma medida da quantidade de informações fornecidas. Porque é só uma medida de quantidade, o pressuposto é que todas as informações prestadas são relevantes para o projeto e por isso pode ser invocado com certeza.

A maioria dos guias de BIM e planos usam terminologias para definir nível de detalhe:

CIC (Penn State) "Informações nível de detalhe" - AKA "Info":
A - tamanho exato e localização, incluindo o material e parâmetros de objeto
B - Geral tamanho e localização, incluindo dados parâmetro
C - tamanho

AEC (UK ) BIM Protocol:
G0 - Schematic
G1 - Concept
G2 - Defined
G3 - Rendered



DESENVOLVIMENTO ou DETALHE - Existe uma diferença?
Nível de Desenvolvimento e Nível de Detalhe estão intimamente relacionados. Você não pode ter um certo nível de desenvolvimento , se o nível de detalhe não existe.
Só definir o nível de detalhe gráfico parece inútil. Não importa o quão realista uma cadeira representa, se você não tem o fabricante e modelo de dados que ninguém pode comprar ou encomendá-lo. O nível de aparência gráfica não necessariamente progredi durante um projeto. As realidades de um projeto normalmente significa que você use o mais alto nível de detalhe no início, quando há o menor nível de desenvolvimento , pois isso é quando você usa imagens renderizadas para vender o projeto para o seus clientes. E para manter a complexidade e tamanho do seu modelo de documentação baixa durante documentação que pretende usar um baixo nível de detalhe , mesmo que o Nível de Desenvolvimento é bastante elevada. É claro que nível de detalhe poderia explicar mais do que a aparência apenas gráfica, mas ainda não se comunica o que todo mundo precisa saber - o que as informações que eu possa usar com certeza.

E há algum ponto de definição do nível de detalhe, se for necessário para o Nível de Desenvolvimento? Provavelmente, não. Para evitar confusão que todos nós devemos sempre utilizar a sigla LOD para Nível de desenvolvimento , e usar algum outro prazo para o nível de detalhe. "Categoria" são utilizados por algumas guias de BIM, mas não muito descritiva. Para manter a metáfora vai como sobre "profundidade de detalhes" (DOD), onde cada LOD é um nível de certeza que passa através da profundidade de detalhes.



COMO FAZER LOD ÚTEIS
A melhor maneira de fazer LOD útil é pensar sobre como você pode fazer LOD significativo para o seu projeto e da equipe do projeto, ou o seu escritório, se você é o gerente BIM.

Não tenha medo de fazer uma tabela LOD realmente simples, especialmente se for o seu primeiro modelo. Se a equipe do projeto está usando Revit não há nenhuma razão que você não poderia listar categorias Revit como seus elementos de construção. Crie seus próprios níveis de LOD. É por isso que os padrões são tão distantes, que é projetado para ter outro, entre os níveis. Apenas certifique-se de definir o que significam esses níveis.
Lembre-se, é um conceito, não uma regra.

Por que não ter um parâmetro de LOD para objetos em seu modelo para acompanhar o progresso e trabalhar como verificação. Por exemplo: - LOD 290 = definido construção preliminar; - LOD 292 = verificado para os requisitos funcionais; - LOD 294 = marcada para as necessidades de incêndio; - LOD 296 = marcada para as necessidades de fumaça; - LOD 298 = marcada para requisitos acústicos; - LOD 300 = final de construção definido;


Seria útil que todos usarmos a mesma terminologia. Como LOD foi efetivamente aprovada pelo (US) AIA é tão bom quanto qualquer outro para usar. Pode não ser perfeito, mas pelo menos vamos falar uma linguagem comum.
Este sistema ainda não é muito utilizado no Brasil e não existem normas ou guias que orientam referentes a este assunto. O importante é ter conhecimento deste assunto quando inciar um modelo. Atenção para o nível de detalhes e das informações dos objetos...


Fonte: practical BIM