domingo, 24 de abril de 2016

BIM International Conference | BIC


O BIMMI – BIM Management Institute organiza em 2016 e pelo quarto ano consecutivo, a BIM International Conference (BIC). Este ano o BIC contará com duas Edições: São Paulo, Brasil (29 e 30 de Setembro) e Lisboa, Portugal (13 e 14 de Outubro).
Cada edição da Conferência terá a duração de dois dias: o primeiro será mais prático e educacional com enfoque nos workshops/treinamentos de patrocinadores e apresentações de abstracts. O segundo dia segue o formato já tradicional, com apresentações dos Oradores Principais que irão partilhar os seus conhecimentos e experiência BIM.


Submissão de palestras (Abstracts)
O BIM Management Institute anuncia que a submissão de palestras (abstracts) para o BIC2016 já se encontra aberta!

Submissão dos Extended Abstracts | 30 de Junho de 2016

AU Brasil 2016

Quer ser um palestrante ?

Mande sua proposta de palestra...
Entre no site do AU Brasil e clique em "Torne-se um Palestrante"...

Propostas até o final de Abril.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Modelo BIM | Objetivos e usos

Adefinição dos objetivos é importante para que as equipes envolvidas tirem o maior proveito possível com a utilização
do BIM.
Que saibam quais serão os ganhos efetivos que cada uma terá nesse processo.

Por exemplo:

  • objetivos para o contratante: reduzir erros e alterações de obra; gerar informações atualizadas e confiáveis para a operação e manutenção da edificação;
  • objetivos para o projetista: confiabilidade na documentação produzida; antecipar a identificação de problemas de projeto; assertividade e garantia de melhores soluções.


O conhecimento dos usos dos modelos BIM, por sua vez, permitirá a definição do que deve ou não ser modelado, de
que forma e em que momento de amadurecimento do projeto essas informações serão extraídas. O guia da Pennsylvania State University (BIM – Project Execution Planning Guide ) relaciona um conjunto de 21 possíveis usos BIM, ao longo das fases de projeto, construção e operação do empreendimento:



Podemos dizer que hoje, no Brasil, temos produzido modelos para um conjunto de no máximo 10 usos, dos relacionados no guia da Penn State University, como: modelagem de condições existentes; análise de implantação; criação e concepção; validação de códigos e normas; coordenação 3D; análises de engenharia; Design Review; estimativa de custo; e planejamento de etapas de construção / implantação - 4D.

O Guia BIM Asbea lista alguns usos dos modelos BIM:


Projeto:

  • Modelagem de condições existentes
  • Análise de implantação
  • Criação e concepção
  • Validação de códigos e normas
  • Coordenação 3D
  • Análise de engenharia
  • Análise Energética
  • Análise Estrutural
  • Análise Luminotécnica
  • Análise de Climatização e outras
  • Avaliação de Sustentabilidade - LEED
  • Definição do Programa de Necessidades
  • Design Review - Revisão Crítica
  • Estimativa de custo



Construção:

  • Planejamento da ocupação do canteiro
  • Projetos de sistemas construtivos
  • Fabricação digital
  • Controle e planejamento 3D
  • Planejamento de etapas de construção / implantação - 4D



Operação:

  • Programação de manutenção preventiva do edifício
  • Análises dos sistemas do edifício
  • Gestão do edifício
  • Gerenciamento dos espaços
  • Planejamento de abandono do edifício
  • Modelo Final Consolidado


Agrande maioria desses usos está voltada para a etapa de projeto e alguns para a etapa de construção. Isso devido à fase de implantação do BIM em que nos encontramos no Brasil — onde poucos projetos foram desenvolvidos e concluídos em BIM — em que um número pequeno de obras está em operação, e dentre esses um número menor ainda teve a participação de construtoras e empreendedores no processo.

Fonte: Guia Bim AsBEA Fasciculo_2

PRÊMIO DE EXCELÊNCIA BIM SINDUSCON-SP

O SindusCon-SP, considerando que a Modelagem da Informação da Construção (BIM) melhora a gestão, incrementando a produtividade e a qualidade das obras, resolve lançar o Prêmio de Excelência BIM SindusCon-SP...



I. Objetivos
O Prêmio de Excelência BIM SindusCon-SP é voltado ao mercado da Indústria da Construção Civil nacional, tendo como objetivos principais:

a. Fomentar a adoção da Modelagem da Informação da Construção (BIM) em empreendimentos e empresas do setor da Construção;
b. Promover iniciativas de sucesso no uso de BIM, divulgando seus resultados ao mercado;
c. Disseminar as melhores práticas de uso de BIM na Construção;
d. Fomentar o ensino e a pesquisa sobre BIM nas universidades brasileiras;
e. Incentivar o desenvolvimento de bibliotecas BIM pelos fornecedores de materiais e componentes de construção do mercado brasileiro;
f. Estimular entidades públicas à adoção de BIM.


II. Categorias
O Prêmio de Excelência BIM SindusCon-SP será conferido nas seguintes categorias:

a. Construtor: nesta categoria, poderão se inscrever empresas construtoras e instaladoras de qualquer porte, sediadas no Brasil, que tenham sido responsáveis pela execução de obra em território nacional na qual fizeram uso de BIM nas etapas de pré-construção e/ou construção;

b. Contratante: nesta categoria, poderão se inscrever empresas incorporadoras, gerenciadoras ou proprietários de empreendimentos públicos ou privados executados no Brasil, nos quais eles tenham demandado o uso de BIM aos contratados;

c. Projetista: nesta categoria, poderão se inscrever projetistas (arquitetura, estruturas, fundações, sistemas prediais, AVAC, automação etc.) ou respectivos escritórios, sediados no Brasil, que tenham desenvolvido e entregue projeto de sua disciplina em BIM para obra executada no território nacional;

d. Fornecedor: nesta categoria, poderão se inscrever fabricantes e fornecedores de materiais e componentes de construção no mercado nacional que tenham disponibilizado ao público, de forma gratuita e aberta, bibliotecas de componentes BIM de produtos que comercializam no Brasil.

e. Academia: nesta categoria, poderão se inscrever estudantes, professores e pesquisadores de universidades brasileiras, autores de trabalhos acadêmicos (artigos, monografias, dissertações, teses, capítulos e livros) focados no tema BIM;


III. Inscrições

a. As inscrições devem feitas exclusivamente no site www.premiobim2016.com.br;
b. Os candidatos poderão inscrever mais de um projeto, que serão julgados de forma independente, demandando inscrição individual de cada um;
c. É vedada a inscrição de projeto que já venceu edições anteriores, na mesma categoria;
d. É vedada inscrição de profissional, empresas ou instituições em conflito de interesses com quaisquer membros do juri;
e. Para a inscrição, deverá ser enviado, via site indicado na alínea “a”, o Formulário de Inscrição da respectiva categoria (disponível no site) completamente preenchido;
f. Custo da inscrição:
. Categoria Academia: R$100,00 (cem reais);
. Demais categorias: R$ 1.000,00 (mil reais);
g. Período de inscrições: de 8 de março a 8 de junho de 2016


IV. Critérios de julgamento:

Categoria Construtor: abrangência de usos do modelo, qualidade dos modelos, inovação, métricas, lições aprendidas.
Categoria Contratante: número/porcentagem de disciplinas em BIM, qualidade do processo de coordenação, quantidade e qualidade de usos BIM desenvolvidos, BIM mandate, métricas, lições aprendidas.
Categoria Projetista: qualidade do modelo, usos praticados, processo de projeto interno, métricas, lições aprendidas.
Categoria Fornecedor: quantidade de componentes na biblioteca, qualidade das informações nos componentes, quantidade de formatos disponibilizados, lições aprendidas.
Categoria Academia: qualidade da contribuição, impacto, inovação.


VI. Etapas
A avaliação dos projetos inscritos será realizada em até quatro etapas, conforme descrito a seguir:

a. Validação das inscrições: verificação da completude e correção dos dados e documentos submetidos na inscrição, bem como de pagamento da taxa de inscrição. Os inscritos serão informados sobre a conformidade de sua inscrição;

b. Seleção dos finalistas: através da documentação enviada, os jurados selecionarão os projetos finalistas, que passarão à próxima etapa. Os projetos selecionados serão divulgados conforme seção VII-b.

c. Apresentação dos finalistas para o júri: os responsáveis pelos projetos finalistas deverão realizar uma apresentação de até 30 minutos com slides, via sistema de web conferência para o júri e, a seguir, responder às perguntas dos jurados por até 30 minutos, em data a ser agendada no período indicado na seção VII.c. Os inscritos devem estar preparados, se for o caso, a mostrar aos jurados, ao vivo, o modelo BIM do projeto inscrito, através de aplicativo de visualização/autoria BIM. Deverá também produzir um vídeo de até 1 minuto sobre o trabalho (para uso na apresentação, na divulgação e na cerimônia de premiação).

d. Indicação de vencedores: em seção secreta, os jurados vão deliberar sobre os melhores inscritos em cada categoria, indicando os vencedores. Estes serão anunciados durante a cerimônia de premiação, na data indicada.


VII. Datas importantes​

a. Período de inscrições: 23/mar a 08/junho/2016
b. Divulgação de finalistas: 1 a 8/ago/2016
c. Período de apresentações aos jurados: 8 a 30/set/2016
d. Divulgação de vencedores e premiação: 26/out/2016


VIII. Premiação

a. Os finalistas do Prêmio serão amplamente divulgados através da mídia do SindusCon-SP (site, Revista Notícias da Construção, Informativo Eletrônico, TV SindusCon-SP e mídias sociais);

b. ​Os vencedores receberão:
- Troféu exclusivo do prêmio;
- Selo digital (imagem) para divulgação em mídia digital;
- Brindes de patrocinadores;
- Ampla divulgação através dos canais de mídia do SindusCon-SP.

ACESSE O SITE COM O REGULAMENTO E INFORMAÇÕES...


quarta-feira, 6 de abril de 2016

Tabela periódica BIM

A NBS apresenta uma tabela periódica com elementos importantes como guia e passos que você precisa para garantir uma implementação bem sucedida BIM.

Inspirando-se a tabela periódica dos elementos, a tabela apresenta todos os principais elementos do BIM em uma referência fácil de seguir...


Dividida em 9 áreas importantes apresenta os elementos:

Estratégia: Definir a ESTRATÉGIA BIM e entender o que sua empresa está tentando alcançar com BIM.

Fundações: Construir FUNDAÇÕES de sistemas eficientes de comunicação, intercâmbio de informações e transferência de dados, a fim de apoiar os processos de BIM avançados.

Colaboração: Desenvolver melhores e mais eficientes formas de trabalhar e se concentrar em COLABORAÇÃO.

Processo: Pense em como e onde você pode fazer melhorias em seus atuais PROCESSOS.

Pessoas : PESSOAS são um elemento de uma estratégia BIM que é frequentemente esquecido.

Tecnologia: Certifique-se que você tem a correta TECNOLOGIA , software e hardware, para apoiar as suas metas e objetivos BIM.

Padrões: Conheça as NORMAS , procedimentos e documentos complementares disponíveis para você que vai ajudar com a sua estratégia e ajudar a alcançar BIM colaborativo.

Ferramentas: Considere as ferramentas que permita e ajude no design, desenvolvimento, fornecimento e manutenção do ativo construído.

Recursos: Faça uso do acesso à informação por considerar que RECURSOS estão disponíveis para você.

Fonte: NBS


segunda-feira, 4 de abril de 2016

Implementação BIM x empresas brasileiras

A revista Construção e Mercado disponibiliza um artigo referente a implementação de BIM em empresasas brasileiras em seus projetos.


Veja como empresas brasileiras implementaram o BIM em seus projetos

Entre as construtoras que desenvolvem projetos em BIM, a procura por mão de obra com capacitação nessa área já é uma realidade. No caso das empresas que estão dando os primeiros passos dentro do conceito, o caminho natural passa pela contratação de consultores especializados e busca de apoio dos fornecedores para treinamento de equipes internas de funcionários.

O movimento de capacitação no mercado brasileiro segue uma tendência global encabeçada por países como Estados Unidos, Inglaterra e Cingapura, onde a proficiência em BIM se tornou uma demanda amplamente disseminada entre empresas na fase de contratação de profissionais.

"O modelo de contratação está ligado a como se faz a implementação do BIM nas empresas e nos projetos", afirma Lucio Soibelman, professor da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos. Segundo ele, há duas opções para se trabalhar na área: o lonely BIM e o social BIM.

No lonely BIM, ou "BIM solitário", os projetistas entregam seus trabalhos em 2D, e o gerente de projeto BIM - chamado pelo jargão de BIM manager - recria todos estes modelos em 3D e faz a análise final de compatibilidade. "Isto permite que o trabalho se faça em um escritório ou em uma empresa de consultoria. O problema é que o modelo BIM resultante é uma cópia dos projetos anteriores. É um esforço duplo, por ter o projeto e o reprojeto, que muitas vezes não está devidamente atualizado", pondera Soibelman.

O consultor Rogerio Suzuki, da RS Consultoria, observa que esse modelo é bastante popular porque funciona como uma experimentação para as construtoras que ainda não estão familiarizadas com o BIM e procuram entender se a ferramenta é viável para seus empreendimentos. Com essa "terceirização", a consultoria assume a tarefa de desenvolver a modelagem sem que a construtora tenha de investir altos valores em equipamentos e treinamento. "Nesta fase, é comum a construtora usar as licenças de prova dos softwares, versão que permite apenas a leitura dos modelos produzidos", relata Suzuki.

Já o modelo social BIM pressupõe o envolvimento de toda a cadeia, passando pelas equipes internas da construtora até o escritório de arquitetura, que já desenha o projeto em 3D conforme o modelo definido pela contratante. "Aí não é preciso existir um BIM manager. Todos os profissionais têm de entender da ferramenta", explica o professor Soibelman.

O BIM no Brasil

A Matec Engenharia é uma das pioneiras na implantação do BIM no País. A empresa deu largada aos estudos em 2008 e hoje está consolidada em social BIM. "Não é possível enxergar o profissional de hoje que não tenha essas habilidades", avalia Marcelo Pulcinelli, diretor de Engenharia.

Ele conta que um dos desafios na implantação foi qualificar os trabalhadores. "Ninguém tinha habilidade para modelar, então criamos e qualificamos um mininúcleo, formado inicialmente por uma estagiária e um gerente de projeto, para trabalhar em um novo empreendimento", relembra. "Tudo era feito internamente, e começamos, com treinamentos aplicados pelos fornecedores de softwares, a formar alguns jovens, todos com muito pouca experiência, basicamente estagiários e arquitetos recém-formados." O executivo explica que a escolha da Matec pelo social BIM se deu porque a empresa queria incluir inteligência no processo, o que não era possível apenas com a modelagem de projetos em 2D.

O grande salto, porém, aconteceu entre 2011 e 2012, quando um projeto de uma fábrica de semicondutores exigiu a contratação e interação da Matec com uma equipe dos Estados Unidos mais experiente em BIM. "Desenvolvemos o projeto com eles e aprendemos muito. Nossos projetistas começaram a receber os modelos das diferentes disciplinas (como a de instalações) e passaram a fazer a análise crítica dos trabalhos", relembra Pulcinelli. Hoje, a Matec tem líderes de projeto que coordenam em BIM todas as atividades, desde a elaboração do modelo volumétrico até o de produção, passando pelo modelo executivo. "O meu líder de projeto não tem hoje para si um núcleo somente de BIM. Todos da organização estão inseridos neste contexto", explica.

A Sinco Engenharia é outro exemplo de empresa consolidada dentro desse conceito. "Quando implementamos o BIM, a partir de 2010, nossa linha de frente foi formada por estagiários, que receberam cursos de modelagem. Os salários não subiram na época. A contrapartida foi uma qualificação maior e a possibilidade de participar de um novo time", conta Fernando Augusto Corrêa da Silva, diretor da empresa.

A Sinco acaba de entregar, em São Paulo, a obra do Cantareira Norte Shopping, que foi totalmente desenvolvido em BIM. Apesar das vantagens da modelagem, um dos maiores desafios do projeto foi encontrar fornecedores que realizassem seus trabalhos usando o BIM ou que estivessem dispostos a trabalhar pela primeira vez com a tecnologia. Nesses casos, foi necessário entregar a eles os projetos em formato 2D.

Além do número restrito de empresas que atuam com BIM, Corrêa observa que o impacto da crise sobre os negócios setoriais também influenciou o desenvolvimento dos profissionais, que, no mercado de trabalho, poderiam receber salários em torno de 5% acima do que seus colegas sem essa qualificação. No entanto, com muitos projetos postergados, essa não é a realidade. "Há muita gente disponível, e hoje se contrata quem tem BIM pelo mesmo preço dos que não têm. O diferencial está em apresentar esta habilitação no currículo e, quando o mercado reaquecer, os profissionais qualificados serão os primeiros a serem escolhidos", aponta o diretor.


Além da retração das obras, o avanço do BIM no Brasil caminha lentamente porque sua implementação também exige uma transformação cultural das equipes. "Ainda não chegamos a ter um volume significativo de busca por profissionais de BIM no País. As poucas empresas que já têm procurado gente especializada o fazem geralmente dentro do ambiente acadêmico ou de uma das revendedoras de softwares", diz Rafael Falcão, diretor de Operações da empresa de recursos humanos Hays Recruting Experts Worldwide.

Na sua opinião, é comum que, neste primeiro momento no qual a oferta de profissionais experientes é diminuta, as empresas procurem contratar alguém que já tenha conhecimento comprovado. Entretanto, este cenário pode mudar. "O BIM é uma tendência de mercado. Os executivos das empresas do setor nos revelam planos estratégicos de implementá-lo, sobretudo naquelas empresas ligadas ao Minha Casa Minha Vida, já que a modelagem é também um instrumento de eficiência", descreve Falcão. "A competição global dos grandes players internacionais de construção civil, que cada vez mais oferecem risco às companhias brasileiras, sinalizam a necessidade de agir rápido."

Fonte: Construção e Mercado, Edição 176, mar/2016







sábado, 19 de março de 2016

Autodesk Expert Elite

O programa Autodesk Especialista Elite foi criado para reconhecer usuários/clientes ao redor do mundo que contribuíram uma quantidade significativa de tempo, conhecimento e assistência dos softwares Autodesk.













O programa Autodesk Especialista Elite tem mais de 290 membros que representam 47 países diferentes e têm experiência no uso de uma infinidade de produtos de software Autodesk...

Se você se considera um Autodesk Expert Elite ou conhece alguém que seria, preencha o formulário de indicação.

Autodesk Expert Elite